sábado, agosto 14, 2010

Tardes Azuis

Voltei, depois de algum tempo fora (... cinco dias), e finalmente cheguei com algo que eu posso dizer que seja... hum, significativo.






No poema Sete Faces, de Drummond, dois versinhos me chamaram a atenção, e me fizeram refletir bastante:


"A tarde talvez fosse mais azul,
Não houvesse tantos desejos"

 É o seguinte: a gente passa tanto tempo se martirizando, se enchendo e se entristecendo por que gostaria de ter algo e não pode/deve. Isso vai desde um sapato à um amigo, passando pelo carinho da pessoa que é amada à festa que seu pai não te deixa ir. Dessa forma, nosso céu, que deveria estar azul e brilhante começa a escurecer e nublar, quando na verdade a cor desse céu depende única e exclusivamente de nossa abdicação ao que nos machuca - os desejos exacerbados e saciantes de nossos mesquinhos prazeres.

Não venho aqui dizer que a gente tem que parar de querer as coisas. Nunca! O desejo é a força motora que nos leva adiante nessa vida. Mas há tipos e tipos de desejos, os que te levam pra frente e os que denigrem. Estes são os que devemos manter distância, os que alimentam nossa ânsia por mais, que aumentam  nossa inveja e egoísmo.



É uma prática que ando tentando pôr na minha vida. Difícil, mas útil.
Meio moralista esse post, né? Sei lá, só um insight de sábado à noite.

James do Bonde. 

10 comentários:

thiago disse...

muito bom, posta mais como esses pô

James do Bonde disse...

já éééé!

Isadora disse...

foi ótimo esse post depois dessa prova hehe. muito bom! bjs

dr futil disse...

carai, achei muito tocante essa tua interpretação, é dificíl quando agente se apega com coisas que não estão no nosso alcance,

Câmii disse...

Finalmente algo construtivo.. :P

Bom, compartilho da mesma 'filosofia',o que faço para facilitar as coisas é refletir... perceber que o que 'priva' no momento lá na frente faz uma diferença enooorme e, sinceramente eu n sei o que tem do outro lado do 'arco-iris', mas é pra lá que vou e o que n ajudar.. FICA!

line disse...

adorei o post! leva a gnt a refletir sobre como a gnt aprecia certas coisas! continue assim, hehhe. bjs

thiago alves disse...

É vero. Diversas vezes sofremos por aquilo que não podemos controlar, sofremos em vão. Inclusive, acho que isso também serve para o que passou e o que virá. Concerteza não faz bem sofrer pelo passado, nem tem lógica sofrer pelo futuro.

P.S.: é, degrinem realmente não existe :P No caso, seria denigrem :)

James do Bonde disse...

ahsduashduas , ja ajeitei ;D

Isabelle Câmara disse...

Adorei o 'post-filosofia'. E adorei o quadro também, aprendendo muito com Érika esses dias né? :P
Realmente, foi muito bom esse post. Aguardando maais!
De sua mais nova e assídua leitora. xoxo

Anônimo disse...

cadê os novos posts? :D bjs